quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Blogs, os novos críticos literários - Por Simone Fraga



A revista "Eu Leio Brasil" edição especial para a 23ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo foi um sucesso. Infelizmente muitas pessoas não tiveram acesso ao conteúdo.

A autora Simone Fraga, amiga e parceira aqui do Relíquias, escreveu um artigo para essa revista e disponibilizou para os leitores aqui do blog.

Vamos conferir?


Blogs, os novos críticos literários

Quando convidada a escrever para a revista "Eu Leio Brasil", fiquei imensamente feliz. Não tive dúvidas em escolher o tema do artigo, pois estava há algum tempo querendo abordar o assunto.

Oportunidade ideal para dialogar com os leitores a respeito e fazer um especial agradecimento aos blogs que tanto incentivam a literatura, em especial a nacional, que vem ganhando espaço considerável nesse segmento.

Os blogs literários comentam a literatura por meio da publicação de "resenhas". Esses textos possuem características de análise e crítica literária. Os "blogueiros" são formadores de opiniões nas mais variadas áreas profissionais, idades e classes sociais. São pessoas que amam ler e em decorrência dessa paixão, veem a literatura com um outro olhar, com outro foco. Seus textos divulgam, comentam e tentam entende-la, o que é extremamente interessante.

Vejo esses espaços como ferramentas práticas, onde são fornecidas informações sobre boas obras, de forma diferenciada . Um dos fatores positivos que corrobora com essa visão é justamente a classificação de gêneros, dos quais uma determinada pessoa emitirá opinião. Essa escolha se dá, na maioria das vezes, pela preferencia de leitura, ou seja, o resenhista irá ler e comentar sobre livros que abordam historias, tramas e temas de que gosta e se identifica. Isso faz toda a diferença na análise crítica. Arrisco afirmar ser este o ponto central do bom resultado que acompanhamos, materializando-se diariamente no reconhecimento dos autores para esse novo agente que desponta com qualidade.

É normal e até rotineiro acompanharmos autores ansiosos à espera da crítica feita por essas resenhas. Diria que o resultado das análises ou criticas literárias construídas por leitores e admiradores do gênero, impacta diretamente na evolução do autor, pois aprender com seu leitor é fundamental.
Erra o autor que não dá valor a esse instrumento de avaliação e o desconsidera por completo ou apenas o trata como meio de divulgação de suas obras.

Assim como a literatura, os blogs possuem uma trajetória. Com características de publicações eletrônicas, eles começam a surgir por volta do ano de 2002, início em que até então o que víamos eram espaços virtuais com cara de diários adolescentes, onde o interesse do blogueiro era meramente a exposição pessoal. Com o crescimento desses espaços, a partir de 2003 no Brasil, passou-se a perceber sua evolução ou transformação em veículos importantes de divulgação de conteúdos literários.
Raquel C. Recuero, mestre em comunicação e Informação pela UFRJ, classificou os blogs em três linhas, e definiu cada uma delas:

1. Diários Eletrônicos - São atualizados com pensamentos, fatos e ocorrências da vida pessoal da cada individuo

2. Publicações Eletrônicas - Destinam-se principalmente a informação. Noticias, dicas e comentários sobre um determinado assunto

3. Publicações Mistas - São aqueles que efetivamente misturam posts pessoais sobre a vida do autor e posts informativos.

Pela imensidão e dinamismo do mundo virtual, não temos conhecimento desse universo com exatidão. Muito menos quantos blogs são voltados especificamente para a literatura. A estimativa é que o número seja bastante expressivo. Em 2012 Marcos Lemos, professor e blogueiro, disse ser possível que tivéssemos um pouco mais de 2,5 milhões de blogs em língua portuguesa.

Diante desse contexto, a realidade que extraio de tudo que li a respeito do assunto, das relações que eu tenho com os blogs e da minha vida de leitora e autora é que, se existem um espaço que vem democratizando o acesso a informação sobre literatura, sem rótulos, sem foco meramente comercial, esse local hoje é clamado de "blog literário". Nele, é possível unir autor, obra, leitor e o público, que se organiza em níveis de acordo com seu próprio gosto cultural, que por sua vez, está ligado diretamente a técnica do artista , aos valores repassados e seus ideais.

Para finalizar, considero que os textos divulgados nos blogs, na forma de resenhas, expõem as ideias, sentimentos e sensações, tanto do leitor, quanto do publico e do blogueiro, de forma a compor a obra, dando sentido e realidade a mesma. No entanto, essa linha é tênue e a recriação do leitor pode levar a certos erros.

Hoje, não há como negar o papel determinante dos blogs na vida literária. Eles estão contribuindo com a democratização da literatura, popularizando e disseminando aos leitores informações sobre inúmeras obras. Facilitando dessa forma o acesso e o diálogo para além dos ditos "guetos intelectuais". Os blogs estão se forjando com muita competência em NOVOS CRÍTICOS LITERÁRIOS. Tem o meu respeito e admiração!

 

2 comentários:

  1. Adorei esse texto e concordo plenamente. O blogueiro literário é, sem dúvidas, um crítico literário. Não somos formados, mas temos paixão, o que falta a muitos dos críticos supostamente gabaritados.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de setembro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A autora Simone Fraga deu um show nesse texto, apesar de pouco valorizado o trabalho de resenhista, fazemos sempre com todo carinho e amor.

      Excluir

IMPORTANTE

- Não utilize esse espaço para divulgar resenhas e promoções (existe outras maneiras de divulgar seu trabalho), comente e deixe o link do seu blog que irei visitar;

- Os comentários são muito bem vindos e importantes, pois enriquecem o conteúdo;

- Se você quer receber a resposta por e-mail, assine com a sua Conta do Google e marque a caixa "Notifique-me".