sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Crônica: Chegou o carnaval




O carnaval chegou e quanta coisa mudou...

As marchinhas de carnaval, os blocos de rua, a fantasia simples, as brincadeiras com ovos e farinha, nada mais é tão simples, nem mesmo o carnaval. São grandes alegorias, desfiles apoteóticos, fantasias caríssimas ou uma explosão de nudez, sandálias altíssimas feitas sob medida, credenciais, abadás, enfim, o mundo fez do carnaval uma suruba e deixou a inocência se perder no passado. 

Longe de mim dizer de que modo se deve curtir o carnaval, apenas não concordo com o “...eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e todo mundo é meu também...”, isso não traduz, nem de longe, a tão falada liberdade, isso é a mais profunda solidão. Ser livre não é não ter compromisso com ninguém, mas sim, permitir que o outro entre na nossa vida, é dividir o espaço sem se sentir invadido, é ter coragem (o amor exige coragem) de ser completo, é não estar só.

No nosso mundo moderno, cheio de inversão de valores, cada dia ama-se mais as coisas e usa-se mais as pessoas. O peito empinado, a bunda durinha, a barriga chapada, a beleza vista assim é mesmo muito fugaz e, na verdade, é infindável se vista através do olhar. 

Não consigo realmente entender essa matemática das muitas latinhas de cerveja, dos muitos porres, das muitas bocas que beijei, do muito que cheirei e do muito de sexo que fiz sem nem precisar de apresentação. Desculpem, mas não dá para acompanhar essa conta descabida já sabendo do grande vazio que vem depois. 

Eu quero um pulsar diferente nesse carnaval. Quero mesmo (e vou) é descansar, esquecer-me das horas e surpreender-me com a falta de obrigação, rolar na cama sem pressa, ficar descalça, passear na grama coberta pelo orvalho da manhã, sentir o cheiro da natureza, entrar no mar, curtir o por do sol ao cair da tarde a beira-mar, me balançar na rede, tomar meu café com o tilintar dos Mensageiros dos Ventos na minha varanda, ver ao vivo e a cores o Beija-flor alimentar-se das flores no meu jardim. 

E enquanto estiverem falando de correr atrás do trio elétrico eu vou desacelerar e relaxar meus músculos, que vivem sob tensão na tentativa de conseguir acompanhar a velocidade do tempo, que mais parece engolir nossa vida sem nem mastigar. Assim será meu carnaval, regado de uma folia genuína, onde menos é realmente mais, sem espaço para crise de consciência ou ressaca moral depois, beijando e fazendo sexo com muito amor com o meu marido.



Médica e autora do livro: Perfume de Hotel
contato@carlasgpacheco.com

0 comentários:

Postar um comentário

IMPORTANTE

- Não utilize esse espaço para divulgar resenhas e promoções (existe outras maneiras de divulgar seu trabalho), comente e deixe o link do seu blog que irei visitar;

- Os comentários são muito bem vindos e importantes, pois enriquecem o conteúdo;

- Se você quer receber a resposta por e-mail, assine com a sua Conta do Google e marque a caixa "Notifique-me".