sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Crônica: Não basta ser bonito, tem que ter borogodó




Boniteza não põe a mesa, com certeza você já ouviu falar isso e é exatamente assim que funciona.


Na era da medicina estética o borogodó continua e vai continuar a ser algo que não se fabrica. Ele é categórico – ou você me tem ou não tem!

Tem pessoas que, como dizem por aí, “chegam chegando”. Não é um rosto perfeito (o que para uma enormidade de mulheres se resumiria na tradução perfeita do imaginário Christian Grey), um bumbum de dar inveja a meros mortais, um colo maravilhoso no decote ou um peitoral que congela o olhar de quem o vê, um belo cruzar de pernas, enfim, às vezes não existe nada de muito excepcional, mas há algo irresistível, particular, que se reflete numa poderosa arma de sedução.

Borogodó tem a ver com segurança, com se sentir totalmente confortável na sua própria pele, com dominar seu poder de fogo, com espontaneidade, e isso torna a beleza algo realmente muito relativo. Ele vem não sei de onde, não sei qual a cor, nem que tamanho tem, mas sei que se não tem borogodó não tem graça.

É no borogodó que mora a química mais perfeita, tão perfeita que não se traduz e não se copia, e que é capaz de se tornar ainda mais forte nos olhos de quem a vê. Aliás, para que tanto, se é possível explicar deixou de ser borogodó. 

Você é como um sonho perfeito, e eu, eu não sou perfeita. Então eu pergunto, por que eu? E ele me responde: Você tem borogodó!



Médica e autora do livro: Perfume de Hotel
contato@carlasgpacheco.com

5 comentários:

  1. CARACA! Amei isso!!!! ahauahuahuahua
    Esse texto ficou super a cara do Relíquias!
    Parabéns para a autora! Amei de verdade!
    Já achei que encontrei meu cara do borogodó várias vezes, mas foi puro alarme falso. ahauhauhauhau
    Ainda esperando.

    bjus
    terradecarol.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol, tudo bem amiga?
      Ai que bom que você gostou =)
      Menina tudo tem seu tempo, o importante é ter Borogodó \o/
      Beijos

      Excluir
    2. Oi, Carol!
      Super felz que tenha gostado e se identficado com o texto.
      Olha, uma hora o seu borogodó vai dar um trombada no borogodó de alguém e ninguém vai desatar esse nó, kkkkk
      Espero que continue a acompanhar as crônicas.
      Bjusss

      Excluir
  2. O bom do borogodó é a legitimidade, cada qual com o seu. Uns com poucos outros com mais, o importante é liberar 'aquele' borogodo guardadinho ai aquela horinha que menos se espera.E tem borogodó que é o bicho!

    ResponderExcluir
  3. O bom é a legitimidade do borogodó. Uns com mais outros com menos.Tem borogodó que 'é o bicho'!

    ResponderExcluir

IMPORTANTE

- Não utilize esse espaço para divulgar resenhas e promoções (existe outras maneiras de divulgar seu trabalho), comente e deixe o link do seu blog que irei visitar;

- Os comentários são muito bem vindos e importantes, pois enriquecem o conteúdo;

- Se você quer receber a resposta por e-mail, assine com a sua Conta do Google e marque a caixa "Notifique-me".